Home  -  Produtos - Quem Somos  -  Mapa Contato

 

Lâmpadas
O que é uma lâmpada e um pouco de sua história.

A lâmpada é um dispositivo elétrico que transforma energia elétrica em energia luminosa e/ou energia térmica.

Foi o inventor Thomas Edison que em 1879 construiu a primeira lâmpada incandescente utilizando uma haste de carvão (carbono) muito fina que, aquecida até próximo ao ponto de fusão, passa a emitir luz. A haste era inserida numa ampola de vidro onde continha vácuo. Como o filamento de carvão tinha pouca durabilidade, Edison começou a fazer experiências com ligas metálicas, pois a durabilidade das lâmpadas de carvão não passava de algumas horas de uso.

A lâmpada de filamento de bambu carbonizado foi a que teve melhor rendimento e durabilidade, sendo em seguida substituída pela de celulose, e finalmente a conhecida até hoje com filamento de tungsténio cuja temperatura de trabalho chega a 3000°C.

Em 1891 Gerard Philips iniciou a produção de lâmpadas de filamento de carvão em Eindhoven, Holanda, começando uma tentativa para o que eventualmente se tornou a maior companhia de iluminação do mundo, a Philips. Na virada do século já era um dos maiores produtores da Europa.

Quais as partes que compõem uma lâmpada?

Lâmpada Incandescente:

Lâmpada Incancescente









Lâmpada Fluorescente Compacta:

Lâmpada Fluorescente Compacta

As lâmpadas podem ocasionar o desbotamento de tecidos?

Sim, o desbotamento das cores ocorre geralmente nos tecidos fabricados com fibra natural, devido ao fato deles serem sensíveis à luz, ao calor e à umidade.

O tempo para este desbotamento dependerá da quantidade e intensidade da luz/calor/umidade direcionados para o tecido, do tempo de exposição e da distância do tecido até a fonte de energia.

Numa residência, por exemplo, os tecidos que ficam no guarda roupa também se desbotam depois de algum tempo, porém após um período muito maior do que acontece numa loja, por causa da diferença de intensidade da luz/ calor/umidade entre os dois ambientes.

Portanto para diminuir, minimizar e até evitar este desbotamento, é recomendado diminuir o tempo de exposição, à distância e a intensidade da fonte de energia em contato com o tecido, ou também providenciar um rodízio dos produtos expostos com maior freqüência.

Como é definida a vida útil de uma lâmpada?

É definida através do tempo em horas, no qual cerca de 25% do fluxo luminoso das lâmpadas testadas foi depreciado. Portanto a vida útil é o tempo recomendado para uso de uma lâmpada mantendo sua eficiência luminosa. Após o termino desse período recomendamos sua substituição, mesmo que ela ainda esteja funcionando.

Como é definida a vida mediana de uma lâmpada?

É definida através do tempo em horas, do qual 50% das lâmpadas de um grupo representativo, testadas sob condições controladas de operação, tiveram queima. Portanto a vida mediana significa a durabilidade de uma lâmpada, ou seja, o tempo que a mesma irá operar até se queimar.

O que é a Depreciação do Fluxo Luminoso?

Ao longo da vida útil da lâmpada, é comum ocorrer uma diminuição do fluxo luminoso que sai da luminária, em razão da própria depreciação normal do fluxo da lâmpada e devido ao acúmulo de poeira sobre as superfícies da lâmpada e do refletor. Este fator deve ser considerado no cálculo do projeto de iluminação, a fim de preservar a iluminância média (lux) projetada sobre o ambiente ao longo da vida útil da lâmpada.

O que é Temperatura de Cor em uma lâmpada?



Expressa a aparência de cor da luz emitida pela fonte de luz. A sua unidade de medida é o Kelvin (K). Quanto mais alta a temperatura de cor, mais clara é a tonalidade de cor da luz. Ex.: uma lâmpada de temperatura de cor de 2.700 K tem tonalidade suave (amarelada), já uma outra de 6.500 K tem tonalidade clara (branca).

Temperatura de Cor Demo
O que é o Índice de Reprodução de Cor (IRC)?

Este índice quantifica a fidelidade com que as cores são reproduzidas sob uma determinada fonte de luz. A capacidade de a lâmpada reproduzir bem as cores (IRC) independe de sua temperatura de cor (K). Existem lâmpadas com diferentes temperaturas de cor e que apresentam o mesmo IRC.

O que é a Distribuição Espectral?



A luz comporta-se como um trem de ondas geradas num campo eletromagnético, propagando-se uniformemente em todas as direções a partir da fonte geradora. A distância de uma onda até outra é chamado de comprimento de onda, cuja medição é o nanômetro (nm). A extensão de luz visível fica entre 380 a 780 nanômetros. Comprimentos de ondas diferentes apresentam impressões de cores diferentes (vermelho via alaranjado, amarelo, verde e azul até o violeta). A combinação de comprimentos de onda das diferentes cores do espectro determinam o índice de reprodução de cores da fonte luminosa com esquema colorido.

Comprimento de Onda em MM Demo

O que significa T5, T8, T10 e T12 ?

Determina o diâmetro das lâmpadas fluorescentes tubulares, conforme tabela abaixo.

Diâmetro das Lâmpadas Tubulares Fluorescentes

Descrição dos códigos:

Exemplo: Lâmpada Fluorescente T8
T: lâmpada tubular
8: Número que expressa o diâmetro da lâmpada em oitavos de polegada.
8 x 1/8" = 26mm


As lâmpadas de nova geração tecnológica são as com menor diâmetro e permitem um maior rendimento da luminária.



Lâmpadas da Nova Geração com Menor Diâmetro


Existe alguma forma de utilizar sensores de presença em lâmpadas fluorescentes?

Para utilização de sistemas com controle de presença, a Philips possui um sistema ACTILUME. Ele proporciona dimerização automática das lâmpadas fluorescentes, não as apagando e sim reduzindo o fluxo luminoso quando não há presença no ambiente. Ele também equaliza as intensidades luminosas das lâmpadas com a luz natural do ambiente através de um ponto pré -programado. Este procedimento garante a vida das lâmpadas e economia do sistema.
Não recomendamos utilizar qualquer outro tipo de sensores de presença ou minuterias ou qualquer outro tipo de forma de controle que mantenha as lâmpadas fluorescentes acesas por somente alguns minutos. As lâmpadas fluorescentes não devem ter um acende e apaga constante, pois esta prática diminui a vida estimada do produto.
Quanto consome de energia uma lâmpada fluorescente compacta integrada PL (eletrônicas econômicas)?

A lâmpada consome de energia a potência (Watts) que vem expressa no seu corpo e na sua embalagem.
Exemplo: Uma lâmpada PL Eletrônica de 23 Watts, consome 23 Watts por hora de uso.

Qual a diferença entre as lâmpadas de luz amarelada e branca?

A luz branca proporciona um ambiente mais dinâmico ideal para áreas de trabalho, já a luz amarelada proporciona um ambiente mais aconchegante ideal para áreas de descanso.

Quanto ao uso de uma ou outra lâmpada (mais branca ou mais amarela) ou a combinação entre elas, trata-se de uma questão de gosto particular, ou seja, dependerá do efeito, harmonização com as cores de mobília e paredes que cada um pretende para o seu ambiente.

As lâmpadas fluorescentes causam irritação na pele?

Não, as lâmpadas fluorescentes como qualquer lâmpada destinada a iluminação, não causam irritação na pele. As lâmpadas fluorescentes, de nossa fabricação, seguem as especificações das normas nacional ABNT e internacional IEC, além de serem largamente aplicadas na Europa, nos Estados Unidos e no Brasil há muitos anos, principalmente na iluminação de áreas internas de trabalho, sem qualquer risco para as pessoas. Pessoas com sensibilidade maior na pele ficarão avermelhadas quando expostas a qualquer tipo de luz, seja do sol ou de fonte artificial. Essas pessoas, conforme orientação médica, deverão usar protetor solar todo o tempo que estiverem em contato com luz.

Qual o significado de HPI?

HPI é um dos códigos Philips para lâmpadas vapor metálico e significa “High Pressure Iodides”.

Qual altura mínima para instalação das lâmpadas HID (mercúrio/sódio/metálico)?

Como acontece com qualquer lâmpada de descarga (mercúrio, metálico, sódio, mista, etc.) de potências acima de 250W é recomendado que sejam instaladas em alturas superiores a 5 metros, a fim de proporcionar melhor distribuição da sua luz, boa uniformidade e conforto visual.

Para baixas alturas de instalação (até 4 metros) é recomendamos aplicar lâmpadas fluorescentes ou lâmpadas de descarga de potências baixas (até 150W) em luminárias com difusor, para que a iluminação tenha boa uniformidade e conforto visual.

As lâmpadas fluorescentes emitem radiação Ultra Violeta (UV)?

As lâmpadas fluorescentes, de nossa fabricação, seguem as especificações das normas nacional ABNT e internacional IEC, além de serem largamente aplicadas na Europa, nos Estados Unidos e no Brasil há muitos anos, principalmente na iluminação de áreas internas de trabalho, sem qualquer risco para as pessoas.

Quanto a radiação (ultravioleta) emitida pela lâmpada, ela é baixíssima e está muito abaixo dos limites estabelecidos pelas normas internacionais.

Nos Estados Unidos, a NIOSHI - National Institute for Occupacional Safet and Helf, especifica que para uma irradiação de 08 horas, a dosagem de ultravioleta admissível de exposição para o ser humano, é de 03 (três) mj/cm2 a 01 (um) j/cm2, dependendo do comprimento de onda. As lâmpadas fluorescentes proporcionam uma dosagem menor que 01 (um) mj/cm2 para o mesmo período de 08 horas e, portanto, muito abaixo dos limites estabelecidos pela NIOSHI.

Pessoas com sensibilidade maior na pele ficarão avermelhadas quando expostas a qualquer tipo de luz, seja do sol ou de fonte artificial. Essas pessoas deverão usar protetor solar todo o tempo que estiverem em contato com luz.

A lâmpada fluorescente compacta PL pode ser instalada em área externa?

Pode ser instalada externamente, desde que esteja dentro de uma luminária que a proteja da água, umidade e possua dissipação térmica necessária.

É verdade que a lâmpada de vapor metálico da Philips tipo HPI Plus funciona com os reatores para lâmpadas a vapor de mercurio e também com os reatores para vapor de sódio?

Sim, a lâmpada a vapor metálico tipo HPI Plus funciona com qualquer um dos reatores (mercurio ou sódio), com acrécimo do ignitor correspondente para metálico ou sódio. Para conhecer as características elétricas e o fluxo luminoso da lâmpada HPI Plus com esses reatores, deve-se consultar o catálogo técnico das lâmpadas.
O que significa lâmpada tipo PAR?

Significa que a lâmpada possue um refletor parabólico. Estas lâmpadas são aquelas cujo bulbo é espelhado (com refletor parabólico).

As lâmpadas fluorescentes tubulares de 32 Watts podem ser instaladas com reatores de 40 Watts?

Não, as lâmpadas fluorescentes de 32 Watts não devem ser instaladas com reatores para lâmpadas fluorescentes de 40 Watts porque as lâmpadas de 32W e 40W, possuem características elétricas diferentes (tensão, corrente, etc). A utilização incorreta pode acarretar na queima precoce das lâmpadas e reatores.

Como economizar energia numa instalação com lâmpadas fluorescentes comuns de 40 Watts, utilizando a mesma luminária?

Substituindo as lâmpadas de 40 Watts e os seus respectivos reatores por lâmpadas de 32 Watts e reatores eletrônicos de 32 Watts, a economia de energia será superior a 20%.

Como funcionam as lâmpadas incandescentes?

O funcionamento de uma lâmpada incandescente ocorre pela passagem de corrente elétrica por um fio fino (filamento da lâmpada), com alta resistência elétrica, que é levado à incandescência, produzindo luz e calor.
Não necessita de um equipamento auxiliar para seu funcionamento, possui IRC 100, geralmente temperatura de cor de 2.700 K, e permite dimerização.

Como funcionam as lâmpadas halógenas?

A lâmpada halógena também possui filamento como a incandescente, porém trabalha em conjunto com um gás halogênio. Através dessa composição, as moléculas do filamento de tungstênio, que se desprendem com o uso, são capturadas pelo composto halógeno.

Quando esse composto fornecido pelo halogênio e tungstênio se aproxima do filamento, é decomposto pela alta temperatura do filamento, redepositando a molécula de tungstênio sobre o filamento da lâmpada, promovendo uma regeneração do mesmo. O halogênio continua a sua tarefa no ciclo regenerativo. Este ciclo regenerativo serve para evitar o escurecimento do bulbo e prolongar a vida da lâmpada.

O bulbo é de quartzo, que tem a propriedade de absorver todo e qualquer componente que se armazene nele. Portanto, caso necessite manusear o produto sem uso de luvas, limpe-o com pano seco antes do primeiro acendimento, caso contrário, a oleosidade da pele ou as impurezas mancharão o bulbo.

Os modelos de 12 V necessitam de um transformador para interfaceá-los com a rede elétrica, possibilitando seu funcionamento correto, os demais modelos funcionam diretamente na rede, todas as lâmpadas halógenas permitem dimerização.

Como funcionam as lâmpadas fluorescentes?

A lâmpada fluorescente é uma lâmpada de descarga de baixa pressão, na qual a luz é predominantemente produzida pôr pós-fluorescentes ativados pela energia ultravioleta da descarga.

As lâmpadas fluorescentes contêm em seu interior uma pequena quantidade de vapor de mercúrio e gases inertes. Com a passagem da corrente elétrica, os elétrons chocam-se com os átomos de mercúrio. Com este choque, é transferida energia para os elétrons de mercúrio que irão passar para uma órbita superior em torno do átomo. Quando estes elétrons regressam para sua órbita original, eles emitem energia na forma de ultravioleta. A radiação ultravioleta é convertida em forma de luz visível pela camada de pós-fluorescentes que revestem o bulbo internamente.

A lâmpada geralmente tem formato tubular longo (TL) ou compacta (PL), com um eletrodo em cada extremidade, contém vapor de mercúrio sob baixa pressão, com uma pequena quantidade de gás inerte para facilitar a partida. A superfície interna do bulbo é coberta com um pó fluorescente, cuja composição determina a quantidade e cor da luz emitida.
Como distinguir os códigos de temperatura de cor e IRC Philips?

Cor Temperatura (K) IRC
27 2.650 93
33 4.100 65
34 3.800 87
37 4.100 93
47 5.000 93
54 6.250 77
57 7.250 93
64 4.100 66
75 5.000 70
82 2.700 82
83 ou 830 3.000 80
84 ou 840 4.000 85
85 ou 850 5.000 85
865 6.500 85
930 3.000 95
940 4.000 95
965 5.000 95

Por que as lâmpadas HID demoram para reacender?

Em caso de falta de energia elétrica, mesmo que seja menos de um segundo, a lâmpada irá apagar e, devido aos gazes internos, a lâmpada necessita esfriar para poder reacender. Esse processo de reacendimento dura em torno de 3 a 5 minutos, dependendo da luminária, e o tempo de estabilização do fluxo luminoso é em torno de 15 minutos.

Qual a garantia das lâmpadas Philips e onde deve ser feita a troca?

Informamos que as lâmpadas Philips, tem "GARANTIA CONTRA DEFEITO DE FABRICAÇÃO”. Segundo o Código de defesa do consumidor, o mesmo tem o prazo informado abaixo a partir da data da compra do produto. Para troca do produto que tenha apresentado falha neste período, deve-se retornar ao local da compra com o mesmo e a respectiva Nota Fiscal para solicitar a troca.

Lâmpadas Incandescetes: 3 meses
Lâmpadas Fluorescentes tubulares e compactas não-integradas: 3 meses
Lâmpadas HID (vapor de mercúrio, metálico e sódio): 3 meses
Lâmpadas Fluorescentes Compactas Integradas (econômicas): 12 meses

Caso eventualmente ocorra alguma dificuldade no ato da troca, em horário comercial, pedimos a gentileza de nos contatar através do telefone 2121-0203 para a região metropolitana de São Paulo e 0800 701 0203 para as demais localidades.

O que são lâmpadas Trifósforo?

A Philips desenvolveu as linhas de lâmpadas fluorescentes Eco Master TLD e Master TLT Série 80. Estas lâmpadas combinam alta eficiência e muito boa reprodução de cores.

A série 80 (tecnologia trifósforo) é produzida com pós fluorescentes compostos por terras raras, que proporcionam uma ótima reprodução de cores. Desta forma, é possível ressaltar com precisão e riqueza de detalhes, todas as nuances reais das texturas e das cores dos mais diversos ambientes e produtos. O IRC (Índice de Reprodução de Cores) é 85, enquanto que as lâmpadas que possuem pós fluorescentes comuns flutuam na faixa de 50 a 70.

As lâmpadas fluorescentes Master TLD e Master TLT Série 80 são muito utilizadas em iluminação de grandes áreas, assim como em escritórios, bancos, lojas, escolas, hospitais, hotéis, supermercados, indústrias e residências.

Como identificar data de fabricação das lâmpadas Philips?

A data de fabricação das lâmpadas Philips está impressa no bulbo e segue a seguinte codificação de dois digitos:

A letra indica o mês de fabricação:
A -> Janeiro
B -> Fevereiro
C -> Março
D -> Abril
E -> Maio
F -> Junho
G -> Julho
H -> Agosto
J -> Setembro
K -> Outubro
L -> Novembro
M -> Dezembro

O número indica o ano de fabricação:
0 ->2000
1 ->2001
2 ->2002
3 ->2003
4 ->2004
5 ->2005
6 ->2006
7 ->2007
8 ->2008
9 ->2009

Exemplos:
C8 = março de 2008
J4 = Setembro de 2004
A cada década a ordem entre letra e número se altera, então também podemos encontrar:
8M = Dezembro de 1998
0C = Março de 2010
Qual a vida das lâmpadas Incandescentes?

As lâmpadas incandescentes Philips possuem vida mediana de aproximadamente 1.000 horas de funcionamento, desde que instalados em tensão de rede estável e nominal do produto. Porém recomendamos consultar o catálogo técnico do modelo desejado para confirmar a vida especificada.

Por que não pode-se utilizar sensores/minuterias em sistema de iluminação com lâmpadas fluorescentes?

Informamos que não recomendamos utilizar qualquer tipo de lâmpada fluorescente com sensores de presença ou minuterias ou qualquer outro tipo de forma de controle que mantenha as lâmpadas acesas por somente alguns minutos.

As lâmpadas fluorescentes não devem ter um acende e apaga constante, pois esta prática diminui a vida estimada do produto, sendo que para atingirem sua vida estimada é necessário que tenha um ciclo de funcionamento de pelo menos 2 horas e 45 minutos funcionando, por 15 minutos desligada, com tensão de rede estável e nominal do reator.

Portanto recomendamos deixar as lâmpadas fluorescentes ligadas o maior tempo possível, principalmente quando se tem certeza de retornar ao local em pouco tempo, ou a utilização de lâmpadas incandescentes.

Para utilização de sistemas de presença eletrônicos de controle de iluminação, a Philips possui um sistema ACTILUME que proporciona dimerização automática das lâmpadas fluorescentes, não as apagando e sim reduzindo o fluxo luminoso quando não há presença no ambiente, e também equalizando as intensidades luminosas das lâmpadas com a luz natural do ambiente através de um ponto pré-programado. Este procedimento garante a vida das lâmpadas e economia do sistema.

Qual a diferença entre lâmpadas Dicróicas e lâmpadas PAR?

Os modelos PAR e dicróica tem basicamente o mesmo tipo de lâmpada Halógena em seu interior.
Geralmente a preferência é por lâmpadas dicróicas quando são utilizadas para decoração em ambientes internos onde a lâmpada fica aparente, ou onde é necessário o uso de lâmpadas pequenas por falta de disponibilidade de espaço.

As lâmpadas PAR são usadas em ambientes internos quando há a disponibilidade de um local para luminária de embutir ou na iluminação de ambientes onde existe umidade, por serem lâmpadas mais robustas.

O uso de lâmpadas PAR halógena também é recomendado para áreas externas como jardins e fachadas.
Porém estas lâmpadas necessitam de luminárias devidamente vedadas e uso de soquete com borracha vedadora, para não haver contato com água.

O que é uma lâmpada ECO MASTER Philips?

As lâmpadas Eco MASTER TLD/TLDRS Super 80 garantem um menor consumo de energia, maior vida e eficiência luminosa durante toda sua vida útil. As lâmpadas TLDRS (diâmetro de 26 mm) proporcionam maior economia de energia com qualidade de luz, melhorando o rendimento do sistema de iluminação em virtude do diâmetro reduzido quando comparadas com lâmpadas TLTRS Pro. As lâmpadas TLD (diâmetro de 28 mm) operam com kripton, o que permite a substituição das tradicionais lâmpadas de 20W e 40W por lâmpadas de 18W e 36W respectivamente, possibilitando uma economia de 10%, sem a necessidade da troca dos equipamentos auxiliares existentes, desde que não sejam de partida rápida (devem ser eletrônicos ou eletromagnéticos de partida convencional). Aplicações: Ideais para iluminação geral de áreas onde exista a necessidade de qualidade de luz aliada à economia de energia, como depósitos, galpões industriais, supermercados, escritórios, escolas, hospitais, residências e similares. Também indicada para uso em sancas (iluminação indireta).

O que é uma lâmpada TL5?

As lâmpadas MASTER TL5 representam o que há de mais moderno na tecnologia de lâmpadas fluorescentes tubulares. Extremamente compactas, com diâmetro de 16mm, estão disponíveis em diversas temperaturas de cor na série 80 da Philips. Possuem rendimento significativamente maior quando comparadas com as lâmpadas comuns, pois oferecem menor barreira a passagem da luz que reflete no fundo da luminária. Devem operar com reatores eletrônicos. Aplicações: Ideais para iluminação geral de áreas onde exista a necessidade de ótima qualidade de luz aliada a uma excelente economia de energia, como depósitos e galpões industriais e comerciais (supermercados), escritórios, escolas, hospitais, residências e locais similares. Também indicada para uso em sancas (efeito de iluminação indireta).

 

Material extraido do site da PHILIPS

  Noções de Cálculo Luminotécnico


 

Calcule a quantidade ideal de luminárias

Para a realização de um bom projeto luminotécnico, se faz necessário conhecer fatores que independe de fórmulas e cálculos, fatores que estão voltados para a sensibilidade do projetista, arquiteto ou decorador, procurando sempre atender as expectativas dos usuários, que efetivamente estarão morando ou trabalhando nos ambientes iluminados. No entando, para servir de base, estaremos demostrando o Método Lúmen, um dos métodos mais utilizados para se calcular a quantidade necessária para um determinado ambiente.

1º Passo - Conhecer as dimensões e as características do recinto, bem como:

  • Dimensões do Recinto ( comprimento, largura, Pé Direito )

  • Altura de Montagem da luminária ( altura plano de trabalho/suspensão da luminária )
  • Cor de teto, paredes e piso
  • Tipo de atividade exercida no ambiente
  • Determinar a iluminancia necessária para a atividade ver ( NBR5413 )

pd = Pé direito

hs = Altura de suspensão da luminária

ht = Altura do plano de trabalho

h = Altura de Montagem
         ( h=pd-hs-ht )

Já de posse das informações necessárias citadas acima, podemos partir para o 2º passo

2º Passo - Se faz necessário conhecer o Índice do Recinto ( K ), que é a relação das dimensões do recinto, dada pela expressão :

 

 
c . l
 
K=
 
 
h . ( c + l )
 

Aonde: K = Índice do Recinto / C = Comprimento / L = largura / h = Altura de Montagem

3º Passo - O fluxo luminoso emitido por uma lâmpada na luminária sofre influência do tipo de luminária e das características do ambiente. O fluxo luminoso útil, isto é, o fluxo luminoso que incidirá sobre o plano de trabalho é avaliado pelo Fator de Utilização. Ele nos permite saber qual a eficiência do conjunto luminária, lâmpada e recinto, para escolher o fator ideal adequado para o recinto é preciso conhecer as refletâncias do teto, parede, e o Índice do Recinto mencionado no 2º passo.
Calculado o K ( Índice do Recinto ), veja qual a refletância do ambiente na tabela de Eficiênica do recinto, fornecido pelo fabricante da luminária, na ordem que aparecem de teto, parede e piso. Na interseção da coluna de Refletância do recinto e linha de Índice do Recinto, encontra-se o Fator de Utilização. Veja tabela exemplificada do coeficiênte de refleção da NBR5413.

 
Cores
%
Branco
70
Creme claro
70
Verde claro
50
Cinza claro
40
Bege
30
Amarelo escuro
30
Marrom claro
30
Azul escuro
10
Vermelho escuro
10
Verde escuro
10
Teto(%)
70
70
70
50
30
10
Parede (%)
50
30
10
50
30
10
30
10
0
Piso (%)
10
10 10
10
10
0
 
  FATOR DE UTILIZAÇÃO - (x 0,01)
K
40
35
32
40
35
32
35
32
30
0,60
48
43
39
47
42
39
42
39
37
0,80
53
49
45
52
48
45
48
45
43
1,00
58
54
51
57
53
50
53
50
48
1,50
62
58
55
61
57
54
56
54
52
2,00
67
64
61
66
63
61
62
60
58
2,50
70
68
65
69
66
64
65
64
62

Obs: Esse processo pode ser evitado caso o fabricante da luminária já forneça em seu catálogo o Fator de Utilização da luminária.

4º Passo - O Fator de Perdas Luminosas ( FPL ) consiste em saber quanto o fluxo luminoso é depreciado em função do acúmulo de poeria na luminária em função do ambiente e da perda de fluxo luminoso em função da vida útil das lâmpadas. Cosiderar como Fator de Perdas Luminosas os seguintes valores:

 
Fator de Perdas Luminosas ( FPL )
Ambientes
Fator
Limpo
0,80
Médio
0,70
Sujo
0,60


5º Passo - Identificar a iluminância ( E ) recomendada para o tipo de atividade exercída. Veja abaixo alguns exemplos de iluminância recomendados pela norma NBR5413 :

Tipo de Atividade
E (Min.)
E (Méd.)
E (Máx.)
Recinto para trabalhos não continuos ou de transição como, dormitórios, depósitos circulação sala de espera etc. 100 lux 150 lux 200 lux
Recinto para trabalho ocm tarefas visuais limitadas como salas de aula, arquivo, auditório etc. 200 lux 300 lux 500 lux
Recinto para trabalhos visuais normais como escritórios, lojas bancos etc. 300 lux 500 lux 750 LUX
Recinto para trabalhos que se exige visualização de detalhes como vitrines, indústrias de roupas etc. 750 lux 1000 lux 1500 lux

6º Passo - Cálculo da quantidade de luminárias necessárias :

 
 
E . c . l
 
N =
 
 
 n.Ø.U.FPL
 

Aonde :

  • E - Iluminância Média ( 5º Passo )

  • c - Comprimento do Recinto

  • l - Largura do Recinto

  • n - Quantidade de lâmpadas por luminária

  • Ø - Fluxo Luminoso da lâmpada ( Consultar Fabricante )

  • U - Fator de Utilização ( 2º Passo )

  • FLP - Fator de Perdas Luminosas ( 3º Passo )

Vejamos na prática um exemplo para cálculo de luminárias de um recinto.

Dados Básicos para Cálculo - Dimensões e características do recinto :

1º Passo

  • Comprimento = 10,00 m

  • Largura = 7,50 m

  • Pé Direito = 3,50

  • teto Branco-70%, parade Branca-70% e piso escuro-10%

  • Altura de suspensão da luminária = 0
  • Altura de montagem da luminária = 2,70 m
  • Altura do Plano de trabalho = 0,80 m
  • Tipo de atividade exercida no ambiente = escritório
  • Determinar a iluminancia necessária para a atividade ver ( NBR5413 ) = 500 lux
  • Utilizando Luminária de embutiro com 2 fluorescentes de 32W/840 com fluxo luminoso de 2700 lumens cada.

2º Passo - Cálcular Índice do Recinto ( K )

 
10 . 7,5
 
K=
 
 
2,7 . ( 10+7,5 )
 
K=
1,58

3º Passo - Achar fator de Utilização ( U )- Considerando as refletâncias de teto, parede e piso.

Fator de Utilização ( U ) = 0,62

4º Passo - Determinar o Fator de Perdas Luminosas ( FPL ) = Ambiente limpo 0,80

5º Passo - Iluminância Média para a iluminação de escritório = 500 lux

6º Passo - Fórmula para cálculo.

 
 
500 . 10. 7,5
 
N=
 
  2 . 2700. 0,62. 0,80  
N=
14 ~ 15
 

Obs: O número de luminárias encontrada no resulto pode ser flexível, em função do LAY-OUT do ambiente e da distribuição das luminárias no mesmo. Portanto para adequar a distribuição das luminárias em nosso projeto de exemplo aumentoamos o número de luminárias de 14 para 15.

Veja como fica a distribuição das luminárias no local

 
 

Neste exemplo sugere a disposição destas três linhas de luminárias paralelas ao plano de trabalho, evitando o ofuscamento sobre a tela do computador.

Observação : Recomenda-se que o espaçamento entre as luminárias seja o dobro da distância entre estas e as paredes laterais.